Informações

Notícias

Embaixador Carlos Alberto Fonseca satisfeito com o funcionamento do Consulado-Geral de Angola em Lisboa

O novo embaixador de Angola em Portugal, Carlos Alberto Fonseca, visitou na passada sexta-feira, 13, as instalações do Consulado-Geral de Angola em Lisboa, tendo-se mostrado satisfeito com o nível de trabalho desenvolvido e a organização apresentada pela missão consular de Angola em Lisboa.

Em cerca de três horas de visita, o embaixador Carlos Alberto Fonseca visitou as instalações do Consulado-Geral, manteve contacto directo com funcionários e diplomatas das diferentes áreas e sectores, tendo recebido informações detalhadas sobre as actividades ali desenvolvidas.

 

“Faço um balanço positivo da visita. Acho que estão criadas as bases de organização e de funcionamento da instituição”, afirmou Carlos Alberto Fonseca.

 

O embaixador de Angola em Portugal não deixou de destacar o facto de esta ter sido a sua primeira visita oficial, depois de no passado dia 11 de Julho ter apresentado cartas credenciais ao Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

 

” É a missão consular que está mais próxima, é a primeira e mais antiga, é aquela que tem maior volume de trabalho e naturalmente por todas estas razões, foi a primeira que comecei por visitar. Saio daqui com uma boa impressão, com uma visão positiva”, disse ainda o embaixador angolano.

 

Narciso do Espírito Santo Júnior, Cônsul-Geral de Angola em Lisboa, agradeceu a visita e enalteceu o facto da instituição que dirige ter sido a escolhida para a primeira visita oficial do embaixador Carlos Alberto Fonseca.

 

” Foi uma visita de cortesia do embaixador Carlos Alberto Fonseca. O facto de ter escolhido a nossa instituição para realizar a sua primeira visita oficial, além do simbolismo que este gesto representa, é também um sinal de cordialidade e cooperação institucional. Revela ainda a importância e o papel activo que a nossa instituição tem assumido junto das comunidades angolanas, e finalmente a necessidade que o embaixador Carlos Alberto Fonseca na qualidade de mais alto mandatário do Estado angolano em Portugal, tem de constatar o funcionamento e organização das instituições deste mesmo Estado”, disse Narciso do Espírito Santo Júnior.

 

Nesta visita, Carlos Alberto Fonseca fez-se acompanhar de altos funcionários da Embaixada de Angola em Portugal com destaque para Isabel Godinho, Ministra-Conselheira.

Estabelecido em 1994, o Consulado -Geral de Angola em Lisboa, trata de assuntos migratórios, registo civil , notariado, comunidades entre outros.

A Mukanda tem alma e identidade angolana
Durante a visita, Carlos Alberto Fonseca, esteve no Sector das Comunidades, onde foi recebido pelo vice-cônsul Mário Silva e foi informado do funcionamento daquela importante área. O trabalho com as diferentes associações académicas, culturais, religiosas, desportivas e filantrópicas, o apoio aos reclusos angolanos , mereceram destaque nesta visita ao sector.

O embaixador de Angola em Portugal recebeu ainda alguns exemplares da revista Mukanda, a primeira publicação oficial da Missão Consular de Angola em Lisboa em 24 anos de existência. Na ocasião defendeu um “trabalho de proximidade com as comunidades” bem como a importância da “divulgação das actividades desenvolvidas em parceria com as associações e demais membros das comunidades”.

A Mukanda é a revista oficial do Consulado-Geral de Angola em Lisboa, tem periodicidade trimestral e é de distribuição gratuita. A Mukanda promove várias dinâmicas históricas , culturais , sociais e geográficas. Valoriza a importância das relações culturais entre as comunidades angolanas, é uma importante realização cultural e literária. Valoriza o património cultural e afectivo dos angolanos espalhados pelo mundo. É uma revista que tem alma e identidade angolana.

Casa de Angola recebe visita de Cônsul-Geral

O Cônsul-Geral de Angola em Lisboa, Narciso do Espírito Santo Júnior, visitou na manhã desta quarta-feira, 4 de Julho, as instalações da Casa de Angola em Portugal, no âmbito das comemorações dos 47 anos de existência da instituição assinalados no passado sábado.

Narciso do Espírito Santo Júnior foi recebido pelos membros da comissão de gestão da Casa de Angola de Lisboa, Zeferino Boal (coordenador) e Márcia Dias (directora das actividades culturais), que agradeceram o apoio prestado pelas autoridades angolanas na realização de actividades em prol da instituição .
Durante a visita, o Cônsul-Geral de Angola em Lisboa, felicitou os membros da comissão de gestão pelo trabalho que a instituição vem desenvolvendo ao longo de quatro décadas em prol do desenvolvimento, promoção e valorização da cultura angolana. Defendeu ainda a necessidade do reforço da cooperação com a Casa de Angola.
A Casa de Angola em Portugal foi fundada aos 30 de Julho de 1971. É um espaço para naturais e amigos de Angola que, ao longo dos anos têm promovido uma diversidade de projectos de âmbito cultural, social e científico.

 

FONTE: VIVÊNCIASPRESS / NEWS

 

Consulado Geral de Angola em Lisboa não será encerrado, afirma Secretário Geral do MIREX

A informação foi avançada por Agostinho Van-Dúnem, Secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores de Angola (MIREX), durante um encontro com representantes de associações comunitárias de angolanos da zona de circunscrição de Lisboa e do Vale do Tejo, que teve na passada segunda-feira, 5 de março. Nesta importante sessão de esclarecimentos que teve lugar nas instalações do Consulado -Geral de Angola em Lisboa, o responsável do MIREX, começou por explicar aspectos relacionados ao plano de redimensionamento das missões diplomáticas e consulares angolanas:

” Devo dizer aos nossos compatriotas, que realmente, as dificuldades financeiras que o país tem vindo a atravessar, está a obrigar-nos a adoptar uma disciplina na forma como vamos gerir as prioridades. E se é verdade que temos de prestar maior atenção e maior apoio às nossas comunidades no exterior, queremos que este apoio seja feito de forma organizada. Nós vamos encerrar algumas missões diplomáticas e vamos fazer regressar muitos funcionários do MIREX“.

 

Quando confrontado sobre a estratégia em relação a missão consular de Angola em Lisboa, o SG do MIREX tratou de clarificar o assunto:

 

” Temos consciência que houve alguma informação que circulou indevidamente. Portanto, não era para circular da forma como circulou nas redes sociais, pois tratava-se de um estudo e não uma decisão final. O que posso dizer é que : em Portugal vamos encerrar apenas o Consulado de Angola em Faro. A Missão Permanente na CPLP não vai encerrar como tal, mas vai mudar o seu figurino. A nossa Missão Permanente na CPLP passará a estar incluída na estrutura da Embaixada de Angola em Portugal. É um figurino que já foi adoptado em anos anteriores . Portanto, nós vamos manter os consulados-gerais de Angola em Lisboa e no Porto. E nesta perspectiva, vamos procurar reforçar o trabalho que estas duas missões consulares vão fazer com as respectivas comunidades”.

 

O encontro contou com as presenças de Narciso do Espírito Santo Júnior e de Mário Silva, Cônsul -geral de Angola em Lisboa e, vice-cônsul para o Sector das Comunidades respectivamente. De recordar que durante esta visita de trabalho, Agostinho Van-Dúnem, manteve encontros de auscultação e esclarecimento com funcionários da Embaixada de Angola em Portugal, da Missão Permanente na CPLP de Angola na CPLP e dos Consulados – gerais de Angola em Lisboa, Porto e Faro.

 

FONTE: VIVÊNCIASPRESS / NEWS

Açores: Comunidade angolana é um verdadeiro exemplo de integração social e cultural, garantem autoridades regionais

Uma série de encontros oficiais com o objectivo de reforçar a cooperação institucional e garantir o apoio as comunidades angolanas residentes nos Açores, marcaram a agenda de Narciso do Espírito Santo Júnior, Cônsul-Geral de Angola em Lisboa, durante os três dias da visita oficial a Ponta Delgada, capital da ilha de São Miguel, nos Açores.
 
Os encontros com Paulo Teves, Director Regional das Comunidades e também com José Manuel Bolieiro, Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, são o exemplo da cordialidade, harmonia e do forte espírito de cooperação existente entre o Consulado-Geral de Angola em Lisboa e estas duas importantes instituições da Região Autónoma dos Açores.
 
Para as autoridades locais, a comunidade angolana residente em Ponta Delgada é um verdadeiro exemplo de integração social e cultural.
 
VIDEO

 
FONTE: VIVÊNCIASPRESS / NEWS

Açores: Narciso do Espírito Santo destaca papel da comunidade na divulgação da riqueza cultural angolana

O Cônsul-Geral de Angola em Lisboa destacou, em Ponta Delgada, o papel que a comunidade angolana residente em Ponta Delgada tem tido no ” desenvolvimento humano, académico, cívico e cultural da sociedade açoriana”.

 

Narciso do Espírito Santo Júnior, que falava num encontro com a comunidade angolana residente em Ponta Delgada, capital da ilha de São Miguel nos Açores, referiu que ” existe hoje uma comunidade angolana que embora não sendo muito expressiva em termos numéricos é, bastante dinâmica e proactiva. Uma comunidade com uma cultura associativa bem enraizada”.
Na sua intervenção, Narciso do Espírito Santo Júnior destacou o papel da instituição que dirige na defesa dos interesses da comunidade.

 

” Nos encontros que temos mantido com os representantes do Governo Regional dos Açores, através da sua Secretaria Regional das Comunidades, temos abordado temas relacionados com os interesses dos cidadãos angolanos que aqui residem. A sua legalização, a sua integração, o seu relacionamento com as instituições locais, a promoção da cultura e do respeito pelos valores tradicionais no seio das nossas comunidades. A distância geográfica e temporal não impossibilitou e nem condicionou o carinho e afecto que têm pela nossa terra, Angola”.
Uma Casa de Angola em Ponta Delgada

 

 

Durante o encontro, os membros da comunidade angolana defenderam a criação de uma Casa de Angola em Ponta Delgada como instituição primordial para a defesa da angolanidade, promoção e valorização da cultura nacional, defesa dos interesses das comunidades angolanas nos Açores.
João Miranda , angolano nascido no Huambo e residente em Ponta Delgada há 33 anos, é responsável pelo Colégio do Castanheiro, uma prestigiada instituição de ensino na capital da ilha de São Miguel. Destacou a importância da criação de um espaço com o valor e dimensão da Casa de Angola e referiu também o trabalho que a sua instituição tem feito ao longo dos quase oito anos de existência.

 

“Louvo a iniciativa da criação de uma Casa de Angola em Ponta Delgada. Reforço que desde novembro de 2012 no âmbito de uma visita que o Embaixador Marcos Barrica efectuou ao Colégio do Castanheiro, inauguramos na nossa biblioteca, uma sala de leitura com o nome : Embaixatriz Suzana Barrica . Sendo um espaço onde se promove e incentiva a valorização da literatura angolana. Instituímos também o dia de Angola que é assinalado em Novembro”.
Para Maria Cristina Borges, presidente da Associação dos Imigrantes nos Açores, AIPA , a sua instituição deve exercer um papel determinante para a criação da Casa de Angola em Ponta Delgada.
“A AIPA será a porta de entrada para instalação da futura Casa de Angola em Ponta Delgada. Podem contar com a nossa experiência, empenho e sensibilidade no trabalho permanente com as comunidades”.

 

Num gesto de agradecimento e reconhecimento pela iniciativa na realização do encontro, os membros da comunidade angolana residente em Ponta Delgada ofereceram a Narciso do Espírito Santo Júnior, um exemplar por eles autografado do livro intitulado “São Jorge , o queijo e a Ilha “, de autoria de José Marcelino Kongo.

O encontro foi seguido de um jantar de confraternização oferecido pelo Consulado Geral de Angola em Lisboa aos membros da comunidade angolana residente em Ponta Delgada. O Cais da Sardinha foi o local escolhido para acolher o jantar de confraternização.

Na sua deslocação aos Açores, o Cônsul-Geral de Angola em Lisboa, Narciso do Espírito Santo Júnior manteve encontros com o presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, visitou a sede da AIPA , manteve um encontro com o Director Regional das Comunidades, Paulo Teves e efectuou uma visita inédita ao Farol da Ferrar.
 
FONTE: VIVÊNCIASPRESS / NEWS

Açores: Farol da Ferraria preserva história do nacionalismo angolano

O que liga um farol com 117 anos de existência ao nosso país? O que liga o Farol da Ferraria, na ilha de São Miguel, Açores ao nosso país, Angola ? Uma figura, um nacionalista, um líder religioso, um angolano. Seu nome ? Simão Gonçalves Toco.

Tendo sido deportado (com a família), pelas autoridades coloniais portuguesas para o Farol da Ferraria no ano de 1963, o nacionalista e líder religioso, Simão Toco, exerceu durante 11 anos ( 1963-1974), as funções de ajudante de faroleiro na Ferraria, facto este, que acabou por colocar a pequena localidade de Ginetes e o já centenário Farol da Ferraria na rota do nacionalismo angolano.

   

No passado dia 26 de janeiro, o Farol da Ferraria recebeu a visita oficial do Cônsul-Geral de Angola em Lisboa, Narciso do Espírito Santo Júnior, que se tornou na primeira e mais alta entidade diplomática angolana a efectuar uma visita oficial ao farol , aproveitando para abordar com as autoridades marítimas, municipais e regionais aspectos sobre a dimensão cultural, histórica e religiosa de Simão Gonçalves Toco.

Para Paulo Teves, Director Regional das Comunidades, “é um registo extremamente importante e porque aos poucos vamos descobrindo factos da história dos nossos povos, e estas viagens que vocês fazem têm este propósito. Não apenas a relação institucional existente entre Portugal e Angola, mas a relação história e afectivas e depois semelhanças em muitos locais desta presença angolana nos Açores e presença açoriana em Angola “.
Para o jornalista, autor, investigador e director do gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, José Andrade, trata-se de uma informação relevante e que merecerá das autoridades municipais um estudo aprofundado.

 

 

” Certamente que a passagem pelo Farol da Ferraria de uma figura que tem para Angola, a dimensão histórica e cultural de Simão Toco, deverá merecer da nossa parte um estudo aprofundado e o merecido reconhecimento. Estamos surpreendidos e honrados com este importante detalhe da história de Angola que passa aqui pelos Açores, através de Simão Toco”.

Mário Riscado é faroleiro chefe e responsável pelo Farol da Ferraria, foi o anfitrião na recepção ao Cônsul-Geral de Angola em Lisboa. Partilhou com os visitantes informações sobre o Farol da Ferraria, bem como documentos que atestam a passagem de Simão Toco pelo farol, através dos livros de registo da actividade diária de 1963-1974, bem como fotografias.

 

” Obviamente que são presenças que honram a nossa instituição. Primeiro, esta visita que Dr. Narciso do Espírito Santo efectua as nossas instalações na qualidade de Cônsul -Geral de Angola em Lisboa. Segundo pela actividade que durante mais de uma década, um nacionalista e líder religioso angolano, Simão Toco, exerceu no Farol da Ferraria. É uma grande responsabilidade, é uma honra, saber que uma parte interessante e importante da história do nacionalismo angolano também passa por aqui , tem registos no nosso farol . Trata-se de algo que devemos preservar, promover e divulgar em estreita sintonia com as autoridades angolanas “, disse Mário Riscado.

 

 

 

Igreja Tocoísta elogia iniciativa das autoridades açorianas
Quem também acompanhou a visita foi Simão Vemba, representante da Igreja Tocoísta em Portugal, para ele

”Esta iniciativa das autoridades açorianas é um grande sinal do reconhecimento da luta pela independência do nosso país e afirmação da identidade do nosso povo . O Profeta Simão Toco colocou esta pequena localidade açoriana na rota do nacionalismo angolano. Temos conhecimento que nos próximos dias a ministra da Cultura, Dra. Carolina Cerqueira visitará Lisboa, pelo que gostaria de ter a oportunidade para com ela abordar estas iniciativas das autoridades açorianas e contar com o apoio do Estado angolano na promoção e divulgação da passagem de Simão Toco pelos Açores”.
 
FONTE: VIVÊNCIASPRESS / NEWS

Celebração do 6.º Aniversário e da Inauguração das Instalações da Associação de Apoio à Comunidade dos Países com Língua Oficial Portuguesa (AAGA)

Aos treze dias do mês de Janeiro de dois mil e dezoito, pelas dezanove horas e vinte minutos, Sua Excelência Senhor Cônsul-Geral, Dr. Narciso do Espírito Santos Júnior, no âmbito da proximidade com a Comunidade angolana, participou na Celebração do 6º Aniversário e na Inauguração das Instalações da Associação de Apoio à Comunidade dos Países Com Língua Oficial Portuguesa (AAGA), na Torre da Marinha, Seixal, no distrito de Setúbal.
A Actividade teve início com a apresentação do espaço do Centro de Recursos do Movimento Associativo do Seixal.

Exmo. Sr. Cônsul Geral , ladeado a direita pelos Srs.Vereador da Câmara Municipal de Seixal , Presidente da União das Juntas de Freguesias e a esquerda pelo Sr. Presidente da Associação AAGA

A mesa do presidium foi constituída pelo Sr. Domingos Costa, Presidente da Associação, Sua Excelência Sr. Dr. Narciso do Espírito Santos Júnior, Cônsul Geral de Angola em Lisboa, Sr. Dr. José Carlos Gomes, Vereador do Pelouro do Desporto, Empreitadas, Administração Geral e Modernização Administrativa da Câmara Municipal de Seixal e o Sr. Dr. António Santos, Presidente da União das Freguesias do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires.

Funcionários de Nomeação Central do CGAL, representantes das Autoridades Locais
Líderes do Movimento Associativo e Eclesiástico e Comunidade em Geral

Participaram também na Actividade os Senhores Vices Cônsules, André Lopes, Mário Silva, funcionários de Nomeação Central e Local do CGAL, representantes da Câmara Municipal de Seixal e da União das Freguesias do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires, bem como os Líderes do Movimento Associativo e Eclesiástico, da Região de Lisboa e Vale do Tejo.

O Presidente da AAGA, proferiu palavras de boas vindas, agradecendo a presença de todos.

Exmo. Sr. Cônsul-Geral a cortar da fita

 

De seguida, Sua Excelência Sr. Cônsul Geral, procedeu o corte da fita e inaugurando as Instalações da Associação, recebendo esclarecimentos do Sr. Domingos Costa, Presidente da AAGA, sobre o funcionamento da mesma.

No decorrer do acto os senhores José Carlos Gomes, Vereador da Câmara Municipal de Seixal e António Santos, Presidente da União das Freguesias do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires, reconheceram o trabalho da Associação, feito a nível social, desportivo, cultural e apoio que tem prestado junto da Comunidade local no Concelho de Seixal.

Durante o evento, Sua Excelência Sr. Cônsul Geral, enalteceu com satisfação e agradeceu o gesto das Autoridades Locais, por cederem o espaço a Associação, trazendo dignidade a Comunidade angolana, onde poderão encontrar -se, realizar e planos, criar actividades Desportivas e Culturais.

 

CONSULADO GERAL DE ANGOLA EM LISBOA, 16 DE JANEIRO DE 2018

Visita aos Doentes de Nacionalidade Angolana Residentes no Distrito de Lisboa

Aos onze dias do mês Janeiro de dois mil e dezoito, pelas dez horas e quarenta minutos, o Senhor Cônsul-Geral, Dr. Narciso do Espirito Santo Júnior, na atribuição das suas funções foi orientado por Sua Excelência, Sra. Ministra da Saúde da República de Angola, Dra. Sílvia Paula Valentim Lutukuta, para proceder uma visita de cortesia e auscultação aos doentes angolanos residentes no distrito de Lisboa, sob o cuidado do Sector de Saúde da Embaixada da República de Angola.

De acordo com o programa de deslocação visitou os seguintes locais de alojamento:

  • 1º Pensões Luanda – estiveram presentes no encontro 45 doentes;
  • 2º Pensão Alvalade – estiveram presentes 32 doentes.

A reunião foi presidida por sua Excelência Sr. Cônsul Geral Narciso do Espírito Santos Júnior, acompanhado pelo Senhor Vice-Cônsul Mário Silva, do Sector das Comunidades e pelos Srs. Vangoy Idika, funcionários do CGAL.

Exmo. Sr. Cônsul Geral do CGAL, ladeado pelo Sr. Vice-Cônsul das Comunidades e pela Sra. Vangoy Idika

 

Sua Excelência Senhor Cônsul Geral, começou por saudar e agradecer a presença dos doentes e acompanhantes, tendo desejado boas entradas e um Ano Novo próspero.

O Cônsul-Geral relembrou que a Ministra da Saúde está preocupada e atenta com a situação actual, tendo o Consulado tomado boa nota das preocupações apresentadas, apelando a calma, serenidade e sobretudo a compreensão de todos.

Os presentes agradeceram a visita de Sua Excelência Sr. Cônsul Geral, tendo manifestado total satisfação pela sua presença e pelo apoio Consular.

CONSULADO GERAL DE ANGOLA EM LISBOA, 12 DE JANEIRO DE 2018

Visita Efectuada à Região Autónoma dos Açores

A Associação dos Imigrantes nos Açores (AIPA), endereçou um convite a S/Excia Cônsul Geral de Angola em Lisboa, Sr. Dr. Narciso do Espírito Santos Júnior, para participar no período de 09 á 11/11/17, na nona (9ª) Edição do Festival Anual o ‘’Mundo Aqui’’ uma celebração ao 42º Aniversário da Independência de Angola.
Realça-se ainda por razões de calendário de S/Excia. Sr. Cônsul Geral, não foi possível estar presente e em sua representação indicou o Dr. André Lourenço Lopes, Vice-Cônsul para o Sector de Registos, que foi acompanhado do Sr. Mário Silva, Vice-Cônsul do Sector das Comunidades.
De acordo com o programa, na manhã de sexta-feira do dia 10 de Novembro, o Chefe da Delegação e a sua comitiva foram recebidos oficialmente pelo Dr. Paulo Teves, Director Regional das Comunidades dos Açores e na sua cortesia de cumprimentos aproveitou a oportunidade para proceder a entrega do Jornal Mwangolê e de uma Brochura, retratando a primeira visita de apresentação oficial do Cônsul Geral de Angola em Lisboa, nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores.
Posteriormente as 12H50 a Delegação Consular deslocou-se à sede da Associação dos Imigrantes nos Açores (AIPA) com objectivo de conhecer as Instalações, assim como inteirar-se da actividade programada em alusão ao dia da Independência Nacional nos Açores.
Após apresentação, o Chefe da Delegação, agradeceu em nome de S/Excia Sr. Cônsul Geral, pela vitória alcançada da cidadã de nacionalidade angolana, Professora Dra. Maria Cristina Borges, eleita Presidente da AIPA o que poderá ajudar no quadro do Projecto de Proximidade com a Comunidade Angolana na Região.

Dra. Maria Cristina Borges, Presidente da AIPA, Dr. André Lopes – Vice-Cônsul do Sector do registo civil, Dr. Mário Silva – Vice-Cônsul do Sector das Comunidades

A Professora Maria Cristina Borges, agradeceu com emoção a presença da Delegação enviada e fez a apresentação do trabalho que AIPA tem desenvolvido em prol da integração dos imigrantes nos Açores. A professora garantiu total disponibilidade no apoio ao trabalho a ser realizada com a comunidade angolana residente na Região Autónoma dos Açores.
Durante a ocasião, a Delegação Consular também procedeu a entrega exemplares do Jornal Mwangolé e de uma Brochura retratando visitas efectuadas pelo Cônsul Geral, Dr. Narciso do Espírito Santo Júnior às Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores.

Entrega da Revista com Ilustrações da Visita Oficial de Sua Excelência, Sr. Cônsul Geral, Dr. Narciso do Espírito Santo Júnior as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores
Entrega do Exemplar Mwangolé

No período da tarde do dia 10, a Delegação participou na sessão de abertura do evento que contou com a presença de personalidades da Presidência Açoriana, representantes da Comunidade de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Açorianos.
Na sequência do programa de visitas no dia 11, a Delegação deslocou-se através de visita guiada pela Professora Maria Cristina Borges e os seus colaboradores para as obras das futuras instalações da AIPA. Após a verificação do espaço, constatou-se a necessidade de apoio para a reabilitação.
Posteriormente, no último dia do encontro as 15h00, a Comitiva Chefiada pelo Vice-Cônsul dos Registos, Dr. André Lopes, deslocaram-se ao Pavilhão do Mar, local do evento para a celebração do 42º aniversário da independência da República de Angola.
Durante o acto, o chefe da Delegação no seu discurso de abertura agradeceu o convite endereçado a S/Excia Cônsul Geral e garantiu a continuidade no apoio as comunidades, no reforço e a cooperação junto das instituições Açorianas e Angolanas.

CONSULADO GERAL DE ANGOLA EM LISBOA, AOS 15 NOVEMBRO DE 2017

Entrega dos Bilhetes de Identidade à Comunidade Angolana

RELATÓRIO SOBRE O ENCONTRO DE AUSCULTAÇÃO COM OS LÍDERES DOS MOVIMENTOS ASSOCIATIVOS E ORGANIZAÇÕES ECLÉSIÁSTICAS & ENTREGA DOS BILHETES DE IDENTIDADE À COMUNIDADE ANGOLANA

 
No âmbito do Programa Especial de Registo Civil, (conforme anexo), realizou-se no Consulado Geral de Angola em Lisboa (C.G.A.L), no dia 16 de Junho de dois mil e dezassete, sexta-feira, as 16 horas e trinta minutos, a entrega oficial dos Bilhete de Identidade Angolano à Comunidade Angolana.
 
A reunião foi presidida por Sua Excelência, Sr. Embaixador Plenipotenciário, Prof. Dr. José Marcos Barrica, onde esteve ladeado do Sr. Director do Instituto das Comunidades Angolanas no Exterior e Serviços Consulares (ICAESC), Dr. João Fortunato Pessela, do Sr. Cônsul-Geral de Lisboa, Dr. Narciso do Espírito Santo Júnior, do Sr. Director Nacional do Registo e do Notariado, Dr. Claudino Salvador Filipe e da Directora Nacional do Arquivo de Identificação Civil e Criminal, Dra. Felismina Manuel da Silva.

Participaram da reunião os membros da Comunidade Angolana, das Associações, Entidades Eclesiásticas e os seus líderes, perfazendo um total de mais de meia centena de participantes.
O Sr. Embaixador Plenipotenciário, Prof. Dr. José Marcos Barrica, agradeceu a presença de todos, fazendo uma concisa introdução, que o encontro teria dois momentos, nomeadamente a primeira parte seria a entrega oficial dos Bilhetes de Identidade aos contemplados e a segunda parte estaria afecta à Troca de Impressões entre os representantes das Entidades Angolanas e os Membros da Comunidade, no que toca a algumas preocupações vividas na Diáspora.

 

O Sr. Director do Instituto das Comunidades Angolanas no Exterior e Serviços Consulares (ICAESC), Dr. João Fortunato Pessela, sentiu-se muito honrado por mais uma vez puder participar neste grande Projecto Multi-Ministerial, onde integra o ICAESC, D.N.R.N, D.N.A.I.C.C e o SME, dos Ministérios das Relações Exteriores, Justiça e dos Diretos Humanos e do Interior, sendo o Projecto coordenado pelo MIREX, na pessoa do Director do Instituto das Comunidades Angolanas no Estrangeiro e Serviços Consulares (ICAESC).

 

O Sr. Embaixador Plenipotenciário, Prof. Dr. José Marcos Barrica, tomou a palavra, sublinhando que, ser Angolano não basta, é preciso melhorar o que está mal e trabalhar para erradicar tudo aquilo que perturba as más condutas e resguardar a imagem do nosso País, Angola.
Após esta breve narrativa, Sua Excelência Sr. Embaixador, comunicou ao demais, que seria feita a entrega oficial de modo simbólico dos Bilhetes de Identidade para 16 Angolanos que, com muito orgulho o receberam.

 

A segunda e última parte do encontro, foi presidido pelo Sr. Director do Instituto das Comunidades Angolanas no Exterior e Serviços Consulares (ICAESC), Dr. João Fortunato Pessela, dando abertura à Comunidade Presente para expor as preocupações e juntos encontrar soluções viáveis em prol dos Angolanos e das referidas Entidades. Tendo como suporte na discussão dos pontos os Directores das Direcções Supra, do Ministério da Justiça.
A etapa de auscultação foi palco dos interessados apresentarem as suas preocupações à mesa do Presidium, tais como: a situação da Segurança Social que os Veteranos da Pátria residentes em Portugal não usufruem; a situação dos Estudantes Angolanos que usufruem o Visto de Estudante e não terem a possibilidade em arranjar emprego, razão pela qual, muitos têm regressado para Angola por falta de meios de subsistência; o Registo de Nascimento dos descendentes por via dos Registos Centrais de Angola ser bastante demorado; a dificuldade em recepcionar verbas de Angola por transferência bancária e a possibilidade de criar um acto de pedido de Certidão de Nascimento via Angola, à semelhança do acto de Registo Criminal.

 

O Dr. João Pessela, passou a palavra aos Directores Nacionais do Registo e do Notariado e do Arquivo de Identificação Civil e Criminal do Ministério da Justiça, afirmando que a integração deles nesta Comissão de Trabalho, os permite viver e compreender de perto os problemas dos cidadãos que vivem na Diáspora.

 

O Dr. João Pessela, Director do ICAESC, tomou boa nota de tudo que foi apresentado, e propôs a criação de um fundo ou uma cooperativa de carácter mutualista com o objectivo de apoiar à Comunidade carenciada, destacando que todos juntos devemos continuar a trabalhar em prol da Comunidade Angolana.

 

O Sr. Embaixador, Prof. Dr. José Marcos Barrica, tomou a palavra, deixando palavras
de incentivo e encorajamento ao Estudantes Angolanos, em como o Ministério das Finanças Angolano, tem estudado mecanismos para ajudar a colmatar a situação das transferências bancárias.

 

A reunião foi encerrada pelo Sr. Cônsul-Geral, Dr. Narciso do Espírito Santo Júnior, que agradeceu os esclarecimentos prestados e as soluções apresentadas à Comunidade, terminado o seu discurso parafraseando o primeiro Presidente da República de Angola, Dr. António Agostinho Neto: “ O mais importante é resolver os problemas do povo.”

 

CONSULADO GERAL DE ANGOLA EM LISBOA, AOS 28 DE JUNHO DE 2017
EnglishFrançaisDeutschPortuguês